A meta é colocar a economia nos trilhos

Ontem, o Comitê de Política Monetária (COPOM) deu início a penúltima reunião do ano de 2014, na qual define as metas de política monetária do período. E, numa atitude que surpreendeu a todos, definiu e divulgou a taxa básica de juros, a SELIC, logo na primeira reunião. Geralmente o COPOM se reúne oito vezes por ano, durante dois dias e só divulga as decisões tomadas ao final do segundo dia, após o fechamento dos mercados.

A taxa foi elevada de um patamar de 11% ao ano para 11,25% ao ano. Os mercados já sentiram o impacto desta mudança hoje (30/10), fazendo ajustes na cotação do dólar (que está em queda) e na bolsa de valores (que está em alta). Esse aumento é necessário e tem dois desdobramentos principais: um político e um econômico. Comecemos pelo econômico.

A taxa de câmbio (o preço do dólar em reais) estava aumentando (desvalorizando) muito nos últimos meses e uma das preocupações que o Banco Central expressou era que este valor fosse repassado para a inflação (com o encarecimento de bens importados ou que possuem matérias primas compradas em dólar).

A taxa de juros também tem impacto nas expectativas dos agentes, pois sua a elevação é um incentivo para reduzir o consumo e ampliar a poupança e investimentos financeiros (por isso que a bolsa de valores geralmente fica em alta).

Entretanto, dada a atual conjuntura do país (baixo crescimento, inflação elevada, a taxa de câmbio em trajetória de alta e possível déficit primário), o desdobramento político é mais evidente. O mercado estava descontente com a política econômica guiada ao longo do governo Dilma, nos últimos quatro anos, que abriu mão do tripé macroeconômico (responsabilidade fiscal, metas de inflação e câmbio flutuante) pela chamada “nova matriz econômica” que foca na expansão dos gastos do governo, crédito abundante (principalmente para o consumo) e câmbio controlado. E, com este aumento de juros, bem como as expectativas sobre a possível equipe econômica do governo, o recado está dado: 2015 promete!

Para saber mais:
Copom surpreende e Selic vai a 11,25%
Depois de aumento do juro, bolsa sobe e dólar volta aos R$ 2,40
O que é a nova matriz econômica?
Dilma já conta com ajuste fiscal violento

Créditos das imagens:
http://www.abla.com.br/wp-content/uploads/2013/05/Taxa-m%C3%A9dia-de-juros-para-empresas-ficou-inalterada-em-abril.jpg
http://www.valor.com.br/sites/default/files/gn/14/10/arte30fin-101-copom-c1.jpg

Qualquer dúvida, crítica ou sugestão, mande um e-mail pra gente em contato@analiseeconomica.com.br

One thought on “A meta é colocar a economia nos trilhos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.