Contas públicas: resultado primário abaixo de zero

O Banco Central do Brasil divulgou hoje os dados sobre a política fiscal.

Entre os pontos mais relevante estão o déficit primário de 7,3 bilhões no mês de agosto. Déficit construído pelos resultados negativos do governo central (R$6,9 bilhões); governos regionais (R$ 174 milhões) e estatais (R$ 202 milhões).

Cabe lembrar que, conforme estabelecido em LDO “As empresas dos grupos Petrobras e Eletrobras não serão consideradas na meta de superávit primário […]”.

Com o resultado negativo de agosto, o resultado primário abandona o campo positivo e o montante desta métrica acumulado no ano até agosto é negativo em aproximadamente R$ 1 bilhão.

Em doze meses, houve pequena evolução do resultado primário em relação ao PIB. Em julho o resultado primário foi negativo em R$ 51 bilhões (0,89% do PIB); em agosto o resultado dos últimos doze meses apresentou-se no negativo, R$ 43,8 bilhões (0,76% do PIB).

Destaque do relatório, mas pouco comentado no cotidiano dos meios de comunicação, é o resultado nominal. Em agosto o resultado foi negativo em R$ 57 bilhões, e no ano o resultado deficitário é de R$ 339,4 bilhões. Para o pagamento do resultado nominal o Banco Central aumentou em R$ 43,6 bilhões a dívida mobiliária, em R$ 12 bilhões a dívida bancária líquida e R$ 7,2 bilhões em demais fontes de financiamento interno que incluem, por exemplo, a expansão da base monetária.

Apresentados os números, pela lógica do ajuste fiscal em curso, os juros devem permanecer em alta, a inflação terá que ser combatida com mais vigor e o dólar pode ganhar mais força no seu componente de inércia altista frente ao real.

Créditos da imagem: http://bit.ly/1M28oUx

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.