Medidas podem reverter déficit em 2016

Os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento) anunciaram ontem um novo conjunto de medidas de ajuste para tentar reverter o déficit anunciado na proposta orçamentária para 2016, apresentado no final de agosto. O pacote,  no valor total de R$ 64,9 bilhões, prevê um superávit de R$ 34,4 bilhões (equivalente a 0,7% do PIB) de resultado primário em 2016, ante ao déficit previsto anteriormente de R$ 30,5 bilhões.

De modo geral, o pacote contempla o corte de R$26 bilhões no lado das despesas, R$ 37,8 bilhões em aumento de receitas e uma revisão da arrecadação negativa de R$5,5 bilhões, devido à atualização dos parâmetros macroeconômicos que balizam a proposta orçamentária.

Do lado das despesas, os cortes foram compostos por:

  • adiamento do reajuste dos servidores públicos, de janeiro para agosto (economia de R$ 7,0 bilhões);
  • suspensão dos concursos em 2016 (R$ 1,5 bilhão);
  • eliminação do abono de permanência dos servidores públicos (R$ 1,2 bilhão);
  • regulamentação do teto remuneratório do serviço público (R$ 800 milhões);
  • redução do gasto com custeio administrativo (R$ 2,0 bilhões);
  • mudança de fonte do PAC referente ao financiamento do Minha Casa Minha Vida (R$ 4,8 bilhões);
  • mudança de fonte de financiamento do PAC, excluindo o Minha Casa Minha Vida (R$ 3,8 bilhões);
  • economia com despesas de Saúde (R$ 3,8 bilhões); e
  • revisão de subsídios agrícolas (R$ 1,1 bilhão).

Já do lado das receitas, as medidas se concentraram em

  • redução de gastos tributários (R$ 5,8 bilhões);
  • sistema S e Sebrae (R$ 6,0 bilhões);
  • imposto de renda sobre ganho de capital progressivo (R$ 1,8 bilhão); e
  • recriação da CPMF (R$ 32,0 bilhões).

Do total das medidas anunciadas, R$ 12,2 bilhões serão incluídos no projeto orçamentário para 2016, R$ 57,5 bilhões precisarão tramitar no Congresso e R$ 2,0 bilhões ocorrerão via decreto, não precisando de tramitação. Apesar de uma grande parte das medidas precisar passar pelo Congresso, o momento atual da economia brasileira impõe que haja uma cooperação mútua na sua aprovação.

De certo modo, o anúncio de ontem reflete uma mudança de atitude do governo, na direção de equacionar a piora das contas públicas. Apesar das evidentes dificuldades em aprová-las, o ajuste deverá permitir que o governo alcance um superávit em 2016. Por mais que continue altamente desafiador atingir a meta apresentada de 0,7% do PIB no ano que vem, tudo indica que não haverá espaço para  déficit primário.

Créditos da imagem: http://bit.ly/1W0MBDV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.