O mundo está ao contrário e ninguém reparou. Ninguém?

Vamos falar sobre prioridades.

O que é mais importante? Para além das tarefas rotineiras, você consegue definir o que tem ou não tem que fazer? Mais ainda, qual a ordem a ser feita?

Pense no seu trabalho. Você organiza seu dia ou vai respondendo às demandas, aos e-mails que caem na caixa de entrada?

Em casa você organiza as tarefas que devem ser feitas ou acorda e vai fazendo o que “parece mais importante”?

Talvez uma das coisas mais difíceis nos dias atuais, dada a enxurrada de informações, de tarefas e atividades no dia a dia de cada um de nós é a habilidade de definir prioridades.

Mas nos parece que é uma dificuldade crônica compartilhada também pelo governo.

Parece-nos.

Passou-se mais de um mês do governo interino e nenhuma discussão séria sobre os verdadeiros problemas dos país foi levada a cabo.

Já se reajustou salários de servidores, ampliou-se o tempo de aplicação da Desvinculação de Receitas da União (além de ter aumentado o percentual desvinculado – de 20% para 30%), já se discutiu teto para os gastos (que, por sinal, ao que tudo indica, terá grandes modificações ao ponto de o projeto original ser amplamente modificado).

Enfim, já se discutiu diversas coisas, mas questões estruturais, como a estrutura tributária regressiva, a estrutura de representação política, a estrutura produtiva brasileira, dentre outras, não entraram em pauta.

Enquanto isso, continuamos nadando contra a maré. Os países centrais aplicando taxas de juros negativas e nós na casa dos dois dígitos (14,25% ao ano).

No meio de todo esse caos, de fato nos parece que o governo também está precisando aprender a definir prioridades…

A procrastinação, inata ao homem e, portanto, disseminada em nossas ações, aumenta a medida que algum problema parece insolúvel.

E o Brasil, como um todo, é um destes problemas. Lidar com a situação política e econômica do nosso país é tarefa que deve ser acoroçoada diuturna e implacavelmente.

Caso contrário, viveremos presos na armadilha de achar que tudo por aqui deve e pode demorar em se ajeitar.

Não nos parece razoável acusar a nova equipe econômica de indolência ou malfazejo, mas parece ainda menos razoável se acostumar com o estado letárgico das decisões políticas no Brasil.

Dúvidas, críticas e sugestões? Entre em contato conosco!

One thought on “O mundo está ao contrário e ninguém reparou. Ninguém?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.