2015, o ano dos ajustes e reajustes

Ano novo, vida nova e política econômica nova… Será? No final de 2014 nós cantamos “It’s the end of the world as we know it” e agora, no começo de 2015, com expectativas renovadas, estamos assistindo a algumas guinadas na política econômica do governo brasileiro, algo que para muitos já era esperado, para outros nem[…]

A era dos extremos (ou a história para salvar a política e a economia)

“A destruição do passado – ou melhor, dos mecanismos sociais que vinculam nossa experiência pessoal à das gerações passadas – é um dos fenômenos mais característicos e lúgubres do final do século XX. Quase todos os jovens de hoje crescem numa espécie de presente contínuo, sem qualquer relação orgânica com o passado público da época[…]

Ciência e desenvolvimento, uma relação de longo prazo

Uma das notícias que saiu hoje na Folha de SP traz a seguinte chamada: “Brasil tem só 4 dos 3215 cientistas cujas pesquisas tem maior impacto”. Essa listagem de cientistas foi feita pela consultoria Thomson Reuters. Porque isso é importante? Recentemente, conclui um artigo acadêmico (postaremos aqui em breve) com uma de minhas mestras (Ivy Judensnaider) no[…]

Poupança, Investimento e Futuro

O HSBC realizou um levantamento global sobre as práticas de investimento em educação. Segundo este relatório, que está em destaque na matéria de hoje no Estadão, no Brasil, apenas 42% das famílias dos entrevistados economizam dinheiro para investir na educação dos filhos. Este número ficou bem abaixo da média global (64%) e quase metade do percentual[…]

Todo mundo fala em educação, mas para quê, afinal?

Hoje (20 de agosto de 2014), o jornal Estadão publicou matéria ressaltando o desempenho negativo dos alunos do ensino médio da rede estadual paulista nas avaliações de Português e Matemática. Lembrei-me de um questionamento que a maioria de meus colegas de classe da época do ensino médio costumavam fazer: “mas para que eu preciso aprender[…]